top of page
  • Foto do escritorJungLab

A Nossa Aventura na Tenth International Conference in Code Biology em La Spezia, Itália



Recentemente, tivemos a oportunidade incrível de participar na Tenth International Conference in Code Biology, realizada em La Spezia, Itália. A nossa viagem começou no aeroporto Galileo Galilei em Pisa, onde aproveitámos para explorar a cidade e visitar pontos icónicos como a Torre de Pisa e a Catedral. A nossa primeira refeição em Itália foi uma deliciosa piza margarita e focaccia bolonhesa, que marcou o início da nossa jornada gastronómica.




Após a nossa breve visita a Pisa, dirigimo-nos para La Spezia, onde ficámos os restantes cinco dias. Antes do início oficial da conferência, tivemos tempo para explorar algumas das atrações locais, incluindo o Museu do Castelo de La Spezia e a Marina. Tivemos também a sorte de jantar no conceituado restaurante La Pia Centenária e de conhecer o restaurante Inferno (entre outros), sendo que La Spezia oferece experiências gastronómicas memoráveis.



Durante a conferência, fomos brindados com uma viagem de comboio até Manarola, uma das deslumbrantes vilas de Cinque Terre. Aqui, assistimos a uma palestra fascinante sobre a reabilitação da área face à crise das alterações climáticas e à preservação da paisagem perante o turismo de massas. Explorámos Manarola a fundo, apreciando a sua beleza e trazendo alguns presentes locais como recordação.




De volta a La Spezia, desfrutámos de um jantar maravilhoso junto à marina no Mitili & Mitili Bistrò. Uma das experiências culinárias mais memoráveis foi gravar a receita centenária de anti pasto em focaccia com pesto e outros ingredientes, que também partilhamos no nosso canal do YouTube.

No dia final da conferência, tivemos as nossas apresentações individuais. João Carlos Major apresentou "The cortex as a ‘model builder’ or ‘archetype maker’," destacando o papel crucial do córtex na construção de modelos mentais baseados em codificação preditiva. A minha apresentação, "In the Beginning was the Deed," focou-se na teoria dos arquétipos de Carl Jung, abordando a dinâmica entre as nossas categorias mentais inatas e o ambiente.


Abstract da apresentação de João Carlos Major:

A investigação neurocientífica tem feito progressos significativos na descoberta dos modos subjacentes à perceção. No domínio da neurociência cognitiva, enfatiza-se o papel crucial do cérebro em derivar significado a partir de informações sensoriais limitadas, ruidosas e ambíguas através de inferências e abstrações. As perceções resultam de processos elaborados do cérebro ou codificações desencadeadas por sensações. Isso leva-nos a perceber que a perceção e a memória, embora processos distintos, estão intrinsecamente interligados. A perceção envolve contrastar características sensoriais com representações armazenadas, destacando assim a interação entre esses dois processos cognitivos. Instâncias de agnosia visual associativa, onde pacientes com lesões específicas têm dificuldade em associar uma perceção ao seu significado, apesar de terem visão normal, sublinham ainda mais essa conexão. A ideia de que as nossas perceções e pensamentos são baseados em modelos que fazemos do mundo externo remonta aos primórdios do raciocínio científico, particularmente às ideias de Aristóteles. Hermann von Helmholtz apoiou ainda mais essa noção, argumentando que a perceção surge de representações formadas a partir de inferências inconscientes. Como Piaget apontou, a cognição humana coalesce na forma de ‘esquemas mentais.’ Esquema é uma denominação criada por Jean Piaget para explicar a maturação mental das crianças e, em geral, a progressão mental de qualquer indivíduo. Os esquemas são formas de ver o mundo que organizam experiências passadas e atribuem um padrão à compreensão de experiências futuras. Mas nem tudo é emergente (emergência, um termo da teoria dos sistemas, descreve propriedades que só surgem devido à interação entre as partes individuais de um sistema). A biologia de código ajuda-nos a entender melhor que alguns fatores são ‘a priori’, ou seja, codificados numa memória filogenética, como propôs Carl Jung. Portanto, os processos cognitivos dependem de memórias, conexões associativas, códigos neuronais, esquemas e arquétipos – palavras que transmitem a representação do ambiente com base nos princípios da codificação preditiva. Atuando como um ‘construtor de modelos’ e ‘criador de arquétipos,’ o córtex desempenha um papel fundamental na tradução de eventos externos em modelos mentais. Ao possuir uma representação do mundo circundante, o cérebro pode fazer previsões sobre os resultados comportamentais, orientando a tomada de decisões num ambiente complexo.


Abstract da apresentação de João Ereiras Vedor:

No meu recente artigo “Revisiting Carl Jung’s Archetype Theory: A Psychobiological Approach” [1], introduzi algumas ideias conceptuais sobre embodiment e enaction, mas não pude elaborá-las apropriadamente. A ideia principal era evidenciar o dinamismo que o nosso corpo assume entre as suas categorias estruturais inatas da mente (archetypes-as-such ou arquétipos estruturais) e o nosso ambiente. Na psicologia e na ciência cognitiva, embodiment sugere que a mente não está apenas localizada no cérebro, mas está distribuída por todo o corpo e é profundamente influenciada pelas interações do corpo com o mundo [2]. No contexto dos arquétipos, embodiment poderia sugerir que estas estruturas profundamente enraizadas não são estáticas ou unicamente determinadas biologicamente, mas são moldadas e ativadas dinamicamente através das nossas experiências incorporadas. Por exemplo, a forma como navegamos e interagimos fisicamente com o nosso ambiente pode influenciar a maneira como os padrões arquetípicos se expressam no nosso comportamento e experiências psicológicas. A ideia de enaction encapsula dois pontos: (1) a perceção consiste em ação guiada perceptualmente e (2) as estruturas cognitivas emergem dos padrões sensório-motores recorrentes que permitem que a ação seja guiada perceptualmente [3]. Nesta definição de enaction, a perceção aparece como um mecanismo que emerge da resposta de um organismo ao seu ambiente. Embora esta visão reconheça padrões sensório-motores provenientes dessas interações, muitas vezes ignora as limitações únicas e os traços específicos inerentes a cada espécie. Nesta conferência, pretendo elucidar a complexa natureza da subjetividade humana, argumentando que ela não é apenas um produto das nossas interações com o ambiente, mas também profundamente enraizada nas nossas predisposições inatas. Proponho um mecanismo que denomino 'arquetipo em ação.' Este conceito postula que o nosso envolvimento com o ambiente tem o potencial de ativar padrões arquetípicos específicos, influenciando assim padrões comportamentais universais e moldando as experiências humanas. Para que este processo ocorra, o indivíduo deve possuir estruturas neurais ou cognitivas inerentes que respondam aos estímulos ambientais. Esta perspetiva desafia a visão construtivista predominante no enactivismo, que enfatiza predominantemente o papel do indivíduo em moldar ativamente a sua própria realidade. Embora reconheça o papel significativo da agência e da criatividade individual, a minha abordagem procura equilibrar isso com uma apreciação pelos aspectos mais estáticos e universais da nossa espécie. Sugere uma epistemologia mais integradora que reconhece a interação entre as capacidades criativas dos humanos e os elementos inatos e duradouros da nossa espécie psicológica. Para apoiar esta ideia, discutirei pesquisas relevantes, como um estudo sobre indivíduos masculinos que se identificam como femininos ou têm uma identidade feminina [4]. A análise post-mortem mostrou que esses indivíduos tinham uma estrutura cerebral; o núcleo da estria terminalis era curto, como normalmente encontrado em mulheres, independentemente do tratamento hormonal. Esta descoberta, consistente mesmo num grupo de controlo que não havia recebido terapia hormonal, sugere uma base biológica para a identidade de género, destacando a interação entre estruturas neurais inatas e identidade pessoal.


Voltando à viagem propriamente dita, gravámos muitos momentos engraçados que compilámos neste vlog descontraído, muito diferente da nossa persona académica. Fiquem atentos, pois as nossas apresentações individuais também serão brevemente publicadas no nosso canal do YouTube.


Assista acima ao nosso vlog para ver todos os detalhes e momentos divertidos da nossa viagem!

34 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page